07/11/07

O DESAPARECIDO CHALÉ DA QUINTA DE S. SEBASTIÃO!

(clique em cima das fotos para ampliar)
Do mesmo resta, somente, uma chaminé de saias, recuperada, e esta fotografia, sem nenhuma qualidade, retirada do jornal de Monchique da edição nº 3 de 15 de Fevereiro de 1986, no qual o jornal se mostrava preocupado, na altura, quanto ao seu futuro.

O mesmo foi pertença da família Bívar Velho da Costa, de Monchique, cuja família numerosa se destacaram algumas figuras como Jerónimo de Bívar Velho da Costa e seus irmãos, na sociedade desse tempo.

Monchique orgulhava-se de ter um dos mais belos exemplares da arquitectura da Vila, construido no ano de 1911, onde as tertúlias e a estadia de figuras importantes aí tinham lugar.

Os seus últimos proprietários foram a família Vila, sendo um dos seus herdeiros que o vendeu a uma sociedade de compradores, por cerca de 10.000 contos, há 21 anos, depois de o mesmo se encontrar muito mal conservado.

A autarquia não quis exercer o seu direito de preferência, que lhe era facultado pelo seu proprietário, nem mostrou qualquer interesse na sua compra, mesmo sendo o seu preço convidativo para o enriquecimento do património municipal.

Instada a Autarquia para comprar o referido imóvel, por parte de alguns munícipes, a Câmara não o fez, por não se querer substituir à iniciativa privada.

E foi a iniciativa privada que comprou o referido imóvel. E assim desapareceu a quinta, com o chalé, para dar lugar a uma urbanização, com várias moradias. A Autarquia ainda recuperou uma antiga chaminé de saias, a qual se encontra colocada na via pública. Ver aqui. Vá lá saber-se porquê.

4 comentários:

Anónimo disse...

Pois sim, aqui estou em silêncio, dia trás dia contemplando o seu blog. Para mim que estou longe, observar estas vistas e comentários tao maravilhosos, a saúdade torna-se mais amena.
Siga com essa boa imaginaçao e vontade,divulgando a nossa terra e outros assuntos de interesse. Um abraço prolongado desde MÁLAGA.

ana pinto disse...

Ainda que a qualidade da imagem não seja, de todo, ilustrativa do verdadeiro esplendor da Quinta de S. Sebastião, pelo menos dá uma ideia da estrutura do chalet que lá se encontrava.
Para alguém que, como eu, tem ouvido ao longo dos anos muitas lamentações amargas por parte de ahbitantes de Monchique pela perda deste elemento inigualável do espólio artístico da vila, é triste constatar a serena fuga à responsabilidade por parte da CMM dos seus deveres de protecção de imóveis com este valor estético e patrimonial. Mais frustrante se torna após o conhecimento do valor irrisório com que edifício e área envolvente foram quase que oferecidos e, efectivamente, empurrados para o cadafalso.

Não será apenas de lamentar a gélida sensibilidade patrimonial por parte da autarquia; a ausência de estratégia para a conservação de obras com capacidade de fazer afluir mais turismo ao concelho através da conservação destas mais-valias, e de assim colher maiores proveitos enconómicos, além de lamentável, é sinal de fraca inteligência e formação.

Quantos mais edifícios serão sacrificados pela incúria, até que a CMM abra os olhos a este potencial que lhe poderá trazer vantagens?

olho vivo disse...

ESPECULAÇÃO SALOIA.
OPTURNISMO BACOCO.
JOGOS DE BAIXA POLITICA COM CONTORNOS AINDA POR ESCLERECER.
LIGAÇOÊS UMBILICAIS Á GITAPE E SEUS ENGENHEIROS MANHOSOS...
...e eis os seus frutos!

Anónimo disse...

A vergonha de sempre, que por muito bafienta que esteja vai ser posta a nú, nem que demore mais uma década!

Veja as fotos que se encontram, em baixo, no final do blogue!

Todas as fotos são referentes ao concelho de Monchique!

as mesmas são propriedade deste blogue e do seu autor

as mesmas são propriedade deste blogue e do seu autor