25/04/10

O 25 DE ABRIL E A SUA PRINCIPAL MOTIVAÇÃO!


Foi um Decreto-Lei que veio alterar a carreira dos militares do quadro!

Publicação do Decreto-Lei 353/73

Texto: Vasco Lourenço. Retirado daqui!

13 de Julho de 1973

Decreto-lei aprovado por Sá Viana Rebelo, ministro do Exército, que procurava fazer face à escassez de capitães dos quadros permanentes. Funcionou como autêntico detonador para a contestação que, após rápida e profunda evolução, levaria ao 25 de Abril de 1974.

Texto explicativo

Decreto-lei aprovado por Sá Viana Rebelo, ministro do Exército, que procurava fazer face à escassez de capitães dos quadros permanentes.

Desde há alguns anos que o Exército vinha fabricando os chamados “capitães proveta”. Para isso, incorporava oficiais milicianos que haviam prestado serviço militar há vários anos atrás (alguns há mais de dez anos…) e não tinham participado na Guerra. Ministrava-lhes um curso intensivo de 4 a 6 meses, graduava-os em capitão e mobilizava-os para a Guerra, normalmente como comandantes de uma companhia de caçadores (cerca de 180 homens).

A situação era insustentável, daí que o governo resolveu aliciar os oficiais milicianos que, como alferes, haviam cumprido uma comissão na Guerra Colonial (do Ultramar, como então se chamava). Como? Propondo-lhes a entrada no Quadro Permanente (Q.P.), depois da frequência de um curso intensivo de um ano (dividido em dois semestres consecutivos), na Academia Militar. Ao mesmo tempo, contava-lhes, para efeitos de antiguidade relativa, o tempo que tinham feito como milicianos.

Diploma que se aplicava também aos oficiais do Quadro Especial de Oficiais (Q.E.O.) que aceitassem mudar de quadro, bem como a todos os oficiais que entretanto haviam ingressado no Q.P. oriundos do Quadro de Complemento (Q.C.), os ditos milicianos. De notar que o diploma se aplicava apenas às armas ditas combatentes, Infantaria, Artilharia e Cavalaria.

O 25 de Abril não foi assim uma revolução na sua verdadeira essência, como se prova com o texto acima transcrito, mas sim um golpe de Estado cujo principal objectivo era a mudança do poder por um questão meramente corporativista gerada pelo descontentamento emergente do Decreto-Lei, supracitado, que prejudicava os militares de carreira e que mais tarde evoluiu para uma posição marcadamente política onde o Povo saindo à rua aderiu em massa a este golpe de estado contribuindo a seguir com a revolução dos cravos.

A mesma teve o mérito de acabar com uma guerra colonial injusta, colocando fim a uma ditadura com 48 anos, onde havia uma censura a todos os órgãos de comunicação social, controlada por uma polícia política impiedosa. Hoje vivemos em Liberdade mas o descontentamento gerado pelas políticas praticadas tem vindo a originar uma crise económica e financeira que está neste momento a atingir níveis preocupantes na nossa sociedade. Para quem via na democracia a solução para todos os problemas que nos afligiam a mesma está a constituir, já há muito tempo, uma grande decepção.

Deixo aqui dois links para quem tiver curiosidade em ler o que escrevi sobre o mesmo tema nas comemorações do 25 de Abril de 2008 e 2009.

1 comentário:

Cirrus disse...

Meu caro, essa informação não deixa de ser verdadeira. Mas se visitar o meu blog, verá que tenho a minha própria visão do espírito de Abril. E nada terá a ver com DLs...

Abraço

Veja as fotos que se encontram, em baixo, no final do blogue!

Todas as fotos são referentes ao concelho de Monchique!

as mesmas são propriedade deste blogue e do seu autor

as mesmas são propriedade deste blogue e do seu autor