10/05/09

DA ISLÂNDIA COM FRIO E MUITA SAUDADE!


Fotos de António Vargas nosso conterrâneo!

O mesmo encontra-se a viver e a trabalhar neste País maravilhoso a atravessar uma grave crise económica como todos sabemos. Para este nosso compatriota que nasceu num País de sol como é Portugal, certamente que essa é uma das maiores lacunas para que o possa considerar verdadeiramente perfeito.

A sua capital é Reykjavik. O clima na Islândia é frio, sendo mais suave ao longo da costa. No verão os valores médios são de 10 a 11º C, mas no Inverno as médias andam à volta de 0 grau centígrados. Uma pequena localidade como Selfoss também não foge à regra.

Para todos os nossos conterrâneos a viver no País, e especialmente a todos aqueles que se encontram na diáspora, aqui vai este post dedicado a quem se encontra a viver e a trabalhar longe ou perto da sua terra, e tenham interesse em saber o que de mais relevante acontece na terra que os viu nascer.

4 comentários:

antonio vargas disse...

e assim ,isto nao e para mim mas para todos aqueles que nao tiveram grandes possibilidades,ou quando as tiveram,foram engolidos pelos os donos dessa linda serra ,que pelos vistos nao gostam muito que os seus conteraneos façam algo de novo,e´o que nos resta termos que abandonar a nossa terra para que possamos viver um pouco mais desafogados,para alem de todas as saudades e dificuldades que sentimos,por muito que nao o queiramos fazer somos obrigados por optar pela soluçao mais dificil,que e abandonar a nossa familia e a nossa terra,mas e assim.Sempre com a nossa serra na cabeça,esperando chegar a altura de voltar e nao ter que sair mais.

antonio vargas disse...

ja agora um grande abraço,a todos os monchiqueiros,a si especialmente por nos trazer a nossa terra tao longe.um abraço e ate breve.ANTONIO VARGAS

António Silva disse...

A minha vida também dava um grande filme!

Também eu nasci em Monchique. Também eu deixei desde muito cedo a minha terra natal à procura de uma vida melhor. Por isso imigrei. Mas o que mais me custou foram as saudades da família dos amigos e do meu País. Tudo isso me machucou muito, mas não podia voltar de novo ao princípio.

Porque uma vez que tomei essa decisão nada mais me restava do que levar o barco para a frente. É nessa altura de dificuldade que temos que ser fortes psicologicamente para poder atingir os fins a que nos propusemos. O primeiro grande desafio que temos que enfrentar é não ter medo de ter medo.

Porque largar tudo para viver num país com outra cultura outra língua não foi coisa fácil. Todos os dias tinha que enfrentar novas batalhas difíceis de superar. No início o obstáculo maior foi o da língua, para poder me inserir no País de acolhimento.

Outro grande problema foi a discriminação racial. Em tempo de crise ainda será tudo mais difícil. Fiz tudo para voltar para Portugal assim que consegui o meu principal objectivo que era arranjar dinheiro suficiente para montar um negócio por minha conta.

Voltei e estou de novo em Portugal. Nunca me esqueço dos tempos que estive fora. Já há muitos anos que não vou a Monchique. No entanto nunca esqueço a minha terra. Por isso sei compreender muitos bem todos os que se encontram longe da sua Pátria.

Anónimo disse...

Um Monchiqueiro no fim do Mundo!
Xim senhori.Que me derá estar ai num sitio tão bonito e com mulheres lindissimas.E que não são chatas como as Monchiqueiras.Abraço
Reis Luis

Veja as fotos que se encontram, em baixo, no final do blogue!

Todas as fotos são referentes ao concelho de Monchique!

as mesmas são propriedade deste blogue e do seu autor

as mesmas são propriedade deste blogue e do seu autor