03/01/11

A JANELA DA SAUDADE NAS CALDAS DE MONCHIQUE!

A Janela da saudade das Caldas de Monchique. O que é feito dela?

A saudade é portuguesa, já muita gente o disse, e, pensa-se que a mesma se tenha formado com a influência de fenícios, de romanos, de godos e de mouros, que por este país andaram a senhorear. O que ela é, sentimo-la todos nós, mas às vezes mal a sabemos exprimir.

O poeta José de Steive tentou explicá-la da seguinte maneira: Imaginem a mistura de tédio, da dor, do remorso., e da alegria, uma gota dessa mistura é a saudade. Será? É uma gota (que se é muita passa da saudade a paixão). É alegria de ainda poder recordar. É remorso de não ter vivido melhor o momento saudoso. E é tédio e dor, a dor e o tédio que vem do cansaço de um momento que jamais renascerá.

Os portugueses levaram a saudade a todos os cantos do mundo, andou pela África, criou raízes no Brasil, e ficou pela Índia. Ter saudades de alguma coisa, ou de alguém, é quase como andar em busca de algo que ficou para trás, mas que se deseja ardentemente possuir ou reencontrar, e, quando as saudades são duradoiras o espírito adoece.

Em Portugal, num cantinho chamado Caldas de Monchique (Algarve) lugar paradisíaco onde a natureza foi pródiga e até hoje os homens inteligentes não destruíram aquilo que ela, com tanta arte, criou, lugar sobejamente conhecido, com a sua estância termal bastante remota, tendo D. João II usado as suas águas para tratamento da doença de que sofria (uremia), neste local existia, no principio do século, a “Janela da Saudade”.

Tentei investigar mas não consegui saber a origem deste facto. Quem sabe…se não terá sido algum amor que se finou, e que, aliado à saudade, ficou a janela como cenário.

Texto de: Maria da Glória Duarte Vieira (Odiáxere-Lagos).

Sem comentários:

Veja as fotos que se encontram, em baixo, no final do blogue!

Todas as fotos são referentes ao concelho de Monchique!

as mesmas são propriedade deste blogue e do seu autor

as mesmas são propriedade deste blogue e do seu autor